sexta-feira, 24 de abril de 2009

Palavras...

Eu vivia numa noite sem igual.
Então chegaste, meu rosto adorado.
De tal noite fizeste um dia amorável.
Cantaste melodias e, sempre amiga, disseste as
palavras de que eu andava sequioso.
E aquelas palavras, que nunca esqueci,
Estavam impregnadas de um remoto sopro, tão
sagrado,
Que aquela noite funesta dissipou como fumaça.
Firdusi, poeta persa,
939-1020 d.C.

Um comentário:

A Flor do Sul disse...

Oh meu Deus! Finalmente alguém aqui no Brasil que conhece Firdusi!
Eu amo esse poeta!
Parabéns pela vossa sensibilidade...
Hakim.