quarta-feira, 17 de setembro de 2008

O Elo Perdido

Míriam Santini de Abreu
Marshal, Wil and Holli... Começava assim a música da abertura da série O Elo Perdido. Crianças nos anos 70 e 80 devem se lembrar daquele iniciozinho trash, quando o pai e os dois filhos despencavam na cachoeira e chegavam a um mundo habitado por dinossauros. Havia também os "sleestaks", mistura de ET com lagarto. Um episódio imperdível é aquele no qual a família cai em um buraco no meio da selva quando sai para um piquenique, e fica girando, assim como a cesta e os alimentos, em volta de uma esfera. É engraçado demais! Eu só lavava a louça quando a série terminava, e isso acontecia lá pelas duas horas da tarde...

4 comentários:

Samuel Frison disse...

Mimi!Gostava muito do Elo Perdido e assisti a várias reprises incansáveis. Ano passado comprei os DVds com a primeira e única temporada (foram somente 13 episódios) e assisti até cansar. Depois dei de presente aos meus sobrinhos, outra geração, que devoraram e continuam devorando os poucos capítulos. E às vezes brincamos de "Sarusataka", vocábulo emitido por Tchaka, aquele primata irreverente, para designar os dinossauros carnívoros que ameaçavam atacar. Os (de)efeitos especiais do seriado são toscos, mas a ingenuidade, ímpar. E viva a infância que nunca termina! (Graças a Deus!) Bjs e sds. Samuel

Anônimo disse...

MIRI!FORAM POUCOS OS CAPITULOS NOS QUAIS EU ME LEMBRO,MAS ERA UMA ÉPOCA MUITO LEGAL,O FABIO DISSE PARA VC ESCREVER MAIS.
ISSO VALE MUITO APENA RELEMBRAR ANOS 80.

Bjs LAURA

Anônimo disse...

Miriam. Esqueceste de fazer referência a Chaca, Tá e Sá, que eram muitos divertidos. Algo como Oganza Bizaza, Oganza Orrari!!!! Na foto que anexaste, o Uncle Marshall deve estar dizendo: verde, amarelo, verde; azul, amarelo, verde.... Beijos maninha!

Rochelle Kazapi disse...

Nossa, eu morria de medo dos sleestacks, mas agora vejo que é tão tosco! Adorei, valeu