quarta-feira, 15 de abril de 2009

A matéria tem que dormir

Míriam Santini de Abreu

A Rô, diagramadora da Pobres & Nojentas, sempre recomenda: - Meninas, tem que deixar a matéria dormir.
Ela tem razão. A gente escreve a notícia, a reportagem ou o artigo, vai fazendo trança, dando nós, arrematando pontas, deixando a pele da linguagem mais sedosa. Aí termina, mas texto é que nem massa de pão. Precisa crescer.
Então o melhor é, no dia seguinte, reler tudo e aí sim lançar a filha ao mundo. Repórteres de jornal diário não têm esse privilégio. Eles fazem dois, três, até quatro textos por dia, de tamanhos variáveis. Não é fácil.
Mas a idéia é deixar a matéria dormir. Porque às vezes a matéria sonha, tem pesadelos, e no dia seguinte ela nos conta como, na longa trajetória da madrugada, é possível amanhecer mais disposta, com um verbo mais bem-apanhado, um substantivo um tanto mais denso, uma figura de linguagem ousada.
A gente sangra do mesmo jeito para escrever, a matéria dormindo ou não. Mas quando ela dorme e no dia seguinte revela seus segredos, a gente sangra com mais gosto.

Um comentário:

Josemar disse...

Taí uma verdade.
sobre o JB. não tenho, mas tá tudo na versão online de sábado 11 de abril.
abraço
Josemar