sábado, 18 de agosto de 2007

Manifesto dos loucos e poetas da Companhia dos Loucos


Esta é uma idéia que vem se colocar na outra mão da história. Enquanto milhares de pessoas gastam energias competindo com seus colegas, sonhando com fama, ouro, ferraris e apartamentos de cobertura, nós decidimos que não pode haver nada mais belo do que viver em comunhão. Com-viver, co-sonhar, co-realizar, co-desejar... juntos, comungando o sagrado direito da vida feliz. Nosso espaço é o mundo das letras, das palavras. Somos construtores de jardins, não esses, comuns, unicamente de flores. Nossos jardins são, justamente, pedaços de um maior, o grande, o mundo em que queremos viver. De riquezas repartidas, livre, justo, pleno.A preciosidade que temos é nossa capacidade de evocar o poder das palavras, fazê-las andar, iluminar caminhos, transformar realidades. A matéria-prima da nossa riqueza é a força da palavra criadora, dabar. Mas, muitas vezes, no mundo competitivo, nossa palavra é castrada, quebrada, mutilada, calada, censurada, em nome de coisas tantas como lucro, mercado, capital. A palavra que escapa dos nossos jardins não é palavra mansa. É selvagem, indomável, perigosa, porque não se propõe adoçar nem dourar o que dói. Ao contrário. Mesmo quando doce, terna, ela queima porque diz da dor, do segredo, do amor, do ainda-não, do não e de um outro sim. É palavra incômoda que narra o mágico e o real sem retoques. Por isso não cabe em editoras e casas de livros. A palavra livre não tem por onde se espraiar no mundo daqueles que se acham no direito de só deixar escapar as que são aceitas pelo grande deus mercado. Não sabem eles que a palavra livre é livre. E que as coisas e seres livres ninguém aprisiona, porque a liberdade não mora no corpo, mora no desejo de ser.A Cooperativa da Palavra nasce desse desejo de ser livre e se deixar voar. Ela se propõe a fazer andar a palavra que constrói e destrói, a palavra invencível, caminhante, viandante. Não é empresa, não é editora registrada, não quer lucro, nem fama. Só quer deixar que as selvagens palavras saiam galopando num livro para que a eternidade se aposse delas. É cooperativa da palavra e de palavra. Nela, só o que se pede é a palavra. Cada membro dá sua palavra de que vai ajudar em algo. Na edição, no desenho, na diagramação, nas letras, no dinheiro para pagar a gráfica, no que for. Toda contribuição é bem-vinda. Depois, cada um dá a palavra de que vai fazer circular e pronto. Está feito! A cooperativa da palavra vai oferecer ao mundo a Companhia dos Loucos. Seres alados, mágicos, visionários, malucos, fazedores de jardins. Eles vão espalhar seus temores e dores e amores e segredos e sonhos e utopias e terrores e esperanças e esperanças e esperanças. Porque só os loucos e os poetas se propõem a, num mundo de fugitivos, caminhar de volta para casa. Juntos, em comunhão, dando unicamente a sua palavra.


Loucos e poetas - Desterro

Um comentário:

Alexandre Câmara disse...

POETA SEM PAR



sou poeta sem livro
poema sem par
vivo inferno e paraíso
buscando calmaria
alma insana, mundana
abissal e colossal
onde me encontro vou
me busco novo ou
no passar dos anos
renovar, renascer
num banho de água gelada
lavar o sangue
o manto roxo da solidão
e acordar pra o sorriso
de uma mente oxigenada
respirar 5 vezes...
banho de cachoeira
respirar 5 vezes
cheiro de terra molhada
deitar na grama
olhar pro céu
morder talinhos de capim
esquecer-me de mim
alí está o mar
aqui por traz essa lagoa
e pela frente
tudo azul
completamente blue