terça-feira, 30 de julho de 2013

Sindes promove debate sobre as Mobilizações de junho e a reorganização da classe trabalhadora


Depois de um último período com muitas lutas, passeatas, paralisações e greves que levaram milhares às ruas do país, o Sindes promove no próximo dia 8 de agosto de 2013 (quinta-feira), às 16 horas, no Plenarinho da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), o debate sobre as Mobilizações de junho e a reorganização da classe trabalhadora. Para debater este tema estarão conosco representantes das Centrais Sindicais (CSP-Conlutas, CUT, Intersindical e CTB).

O objetivo é darmos um pontapé inicial neste debate tão importante no meio sindical e fazermos uma análise dos rumos da luta da classe trabalhadora, além de sabermos como se posicionam as Centrais Sindicais diante dos novos desafios de reorganizar a luta dos trabalhadores no País.

Contamos com a presença de todos, sindicatários(as), dirigentes sindicais e movimentos sociais para analisar a onda de mobilizações e discutirmos juntos este importante tema que sacudiu o País, levou à unidade das Centrais Sindicais nas ruas e pautou as discussões entre movimentos sociais, sindicatos e governos no último período. Movimentos foram discriminados, houve violência e abuso por parte da polícia em algumas manifestações, se avançou em algumas pautas como a diminuição da tarifa de transporte em diversas capitais do País, houve fortes protestos contra os megaeventos, surgiram ondas conservadoras que hostilizaram partidos e movimentos. Tudo isso não passou em branco na nossa sociedade. Agora é preciso analisar e buscar a retomada da luta dos trabalhadores mais do que nunca.

Nos vemos todos no debate do dia 8/8, às 16 horas, na Alesc.

Para melhor organização do evento confirme sua presença pelo email: sindes@sindes.org.br

Mais informações pelos fones: (48) 3028-4537 / (48) 9901-8927.

 

Um comentário:

Jeane Adre Rinque disse...

Penso que talvez esteja ai a saída para essa reinvenção que tanto falamos que os sindicatos tem que fazer, quem sabe os funcionários dos sindicatos que estão acostumados com seus patrões sindicalistas “perdidos” possa iniciar a verdadeira luta dos trabalhadores. Quando digo VERDADEIRA, estou dizendo VERDADEIRA mesmo!