sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Amores cachorros

Dois inquietantes filmes na semana de Natal. Um deles, Amores Brutos, do mexicano Alejandro González Iñárritu. Outro, Fahrenheit 451, dirigido por François Truffaut. Do primeiro, destaca-se uma frase dita por uma personagem: "Se quer fazer Deus rir, conte-Lhe seus planos". E há também os cães, sangrentos depois de batalhas, mordidos por ratos, sobreviventes. O cachorro negro, Cofi, brutal, irracionamente brutal, humanizando o ex-gerrilheiro El Chivo.
No cultuado Fahrenheit 451, bombeiros devem incendiar todos os livros que encontrarem. No final aparecem os homens-livro, que decoram clássicos da literatura para salvar a palavra da fogueira.

Um comentário:

Samuel disse...

Olá Mírian, que bom que gostou da indicação. Espero discutir em breve alguns aspectos dos filmes, em nossas conversas sempre inquietantes. Parabéns pelo blog. O texto(em débito)virá em breve. Beijo. Samuel.